30 janeiro 2016

Hotéis do mundo: Morro de São Paulo/Bahia - Villa dos Graffitis

Aproveitando que tá calor, é verão e todo mundo quer ir para a praia, a dica de hoje é um hotel localizado num verdadeiro paraíso aqui no Brasil: Morro de São Paulo, na Bahia.

Foi lá que eu me apaixonei pelo sotaque, gastronomia e jeitinho baiano de ser. Férias, baixa temporada, mês de setembro com maravilhosos 28 graus no termômetro.

As águas cristalinas, as trilhas ecológicas e os pontos históricos são um diferencial do Morro de São Paulo, ahhh sem falar nas moquecas...sempre uma melhor que a outra!

O lugar é destinado para turistas, muito mais estrangeiros do que brasileiros e foi a grande estrutura turística que chamou a minha atenção. Centenas de pousadas, das mais chiques as rústicas.
E bem lá na segunda praia, estava cravada uma pousada totalmente diferente e original: a que nós ficamos!

Na hora da reserva, o que me chamou atenção foi o nome: "Villa dos Graffitis". E como entusiasta da arte de rua decidi reservar um quarto de casal por lá mesmo.


Percorremos as ruelas do Morro com as mochilas num carrinho de pedreiro,  afinal não existem carros, e o transporte de cargas mais pesadas é feito assim.

Ao abrirem a porta de madeira, eu quase caí no chão! Tudo era perfeito: novo, arejado e com muita natureza ao redor.



O local conta com grafites espalhados pela área social e detalhe: cada quarto tem uma arte diferente.

É tudo clean e moderno ao mesmo tempo! Lindo, lindo!


Ótimas instalações, banheiro perfeito, ar condicionado, TV e filmes para escolher nos dias de chuva.

Foram férias de paz, amor e aquela magia baiana que emana pelo ar ou pelo cantarolar de uma das moças da cozinha; que com aquele sotaque cheio de dengo, nos deixava num estado de encantamento profundo.


A piscina da pousada é maravilhosa e a mesa de sinuca, diversão garantida.


Super recomendo para casais que buscam tranquilidade e um atendimento legal  numa praia badalada e com ótima gastronomia.

Melhor que a pousada, só essa paisagem né?!

Morro de São Paulo, na Bahia 

27 janeiro 2016

Dica de livro: "A Linguagem das Flores"

Não adianta procurar nas livrarias, ele já esgotou. E não se trata de um desses sucessos supostamente escrito por celebridades. Negativo. O grande trunfo dessa obra prima editorial são os textos, as imagens e o perfume.


Exatamente! O livro exalava perfume de flores!

Qual foi a pré-adolescente que ficou louca com a obra lançada em 1992 aqui no Brasil, pela editora Melhoramentos? Eu, é claro!

Meus dedos folheavam página por página delicadamente. Meus olhos afoitos pela leitura descobriram o significado das flores, e há 23 anos eu não compro e nem gosto de receber flores amarelas!


"A linguagem das flores - tesouro perfumado em prosa e verso", da escritora Sheila Pickles é desses livros delicados, com valores inestimáveis para os donos. Aliás, quem havia comprado foi a minha dinda, que nesse ano decidiu me dar de presente a obra que sempre admirei na casa dela! :)

Para quem gosta de flores é um achado, e para quem admira artes plásticas e poesia, um livro de cabeceira!

Cada flor, recebe seu significado, uma linda imagem e textos poéticos ou mitológicos que envolvam a flor em questão!

Ficou a fim de ter esse livro? Procura no site Estante Virtual, lá muitos sebos e livreiros têm as obras para vender em excelente estado e por um preço camarada!


25 janeiro 2016

Faça a sua fantasia!

Carnaval chegando e eu não posso deixar essa data passar em branco! Afinal, é nessa época que a gente pode colocar a criatividade para funcionar e criar mil fantasias.

Seguem algumas referências que eu achei na internet!Vejam...


Maria Bonita: Basta um short e um top e depois é só arrasar nos acessório como o clássico chapéu e um lenço no pescoço.

Frida Kahlo: A pintora mexicana foi sucesso no carnaval passado e deve voltar com tudo nesse ano. Um arco com flores, sobrancelhas grossas, brincos, colar e pulseiras e claro, um vestido ultracolorido já garantem uma típica Fridoca!

Carmen Miranda: Essa fantasia é a que faz todo diferencial (eu sei por experiência própria, foi a fantasia que eu fiz que causou mais elogios pelas ruas). Uma tiara com frutas, uma saia longa dourada ou com brilhos, barriga de fora  e muitos balangandãs e voilá: todo mundo vai perguntar o que que a tua baiana tem!!!



Aliás, vocês querem aprender a fazer uma tiara de Carmen Miranda?! Basta clicar aqui no meu post do carnaval passado... FAÇA VOCÊ MESMA!

Na semana que vem eu trago ideias para fantasiar os pequenos!

Beijos,

22 janeiro 2016

Pimenta nos olhos dos outros é refresco...

Vocês que usam o google tanto quanto eu devem ter percebido que hoje ele tá com um doodle cheio de pimentas, né?!


A imagem mostra o farmacêutico Wilbur Scoville durante a sua descoberta em 1912. Ele desenvolveu um método para medir o grau de calor das pimentas, a escala de Scoville. 

Eu sou uma apaixonada por pimenta, sim, daquelas bem ardidas,e vocês? Por isso, compartilho aqui no blog a famosa escala, pra gente saber até onde é o nosso limite...

O meu vai até a Habanero Chilli, depois disso já não sei se consigo!



19 janeiro 2016

DIY de carnaval

Promessa é dívida e eu vou mostrar aqui para vocês como fiz a minha tiara de conchas para a fantasia de Clara Nunes!

Sim, sou fã da mineira guerreira há anos. E ela, assim como eu, amou o carnaval com todas as suas forças.

A minha tiara de conchas não chega aos pés da usada pela cantora, mas foi livremente inspirada nela!

 MATERIAIS:

- Conchas e búzios
- Cola Universal para artesanato
- Tiara/arco largo



PASSO A PASSO:

- Ir colando as conchas uma a uma. O mesmo eu fiz no fiz prateado.

Olhem só o resultado... cabelão, boca vermelha e muito axé nessa tiara, né?! Epahey!



Ano passado eu ensinei a fazer uma tiara de Carmen Miranda, veja aqui no post como fazer!

Mas o que importa mesmo é se divertir, se tiver criatividade, melhor!

Beijos



07 janeiro 2016

Dica de filme: As Sufragistas


"Somos metade da raça humana, não há como deter todas nós", disse Maud Watts, a protagonista do filme.

Nisso minhas lágrimas escorreram, não por fraqueza, mas por saber de nossa força!

Eu deixei a sala de cinema com uma sensação de soco no estômago. Era uma dor na alma, uma tristeza e uma linda certeza: de que nós mulheres - somos sim-  o sexo forte! Aliás, fortíssimo!

Através das décadas já fomos humilhadas, ignoradas, assediadas e agredidas e se a gente parar pra pensar, até hoje precisamos lutar por nossos direitos. Pela igualdade entre os gêneros. E claro, evitar todo tipo de violência contra as mulheres.

Na Arábia Saudita, foi agora, em dezembro de 2015 que as mulheres finalmente tiveram direito ao voto. :O

O filme "As Sufragistas" poderia estar falando delas, as mulheres sauditas. Mas nos deu uma outra aula de história: a das mulheres inglesas, que passaram 50 anos pedindo pelo direito de votar e nunca foram ouvidas.

Trabalhavam desde a infância, numa jornada dobrada a dos homens, ganhavam menos, bem menos, e como de costume eram assediadas. E claro que, as que lutavam por seus direitos, eram tidas como loucas e histéricas. Ah, isso em 1909, mas poderia ser agora em 2016.

O filme, com cenários e figurinos de décadas passadas, apresenta um tema tão atual: a nossa luta. A luta das mulheres.

Eu não vou ficar aqui falando a trama do filme e nem contar a história, para não cortar o barato de você caro leitor e leitora deste blog.

Mas recomendo que você leve o máximo de amigos e familiares para assistir, aliás, insista para que seu companheiro, marido, namorado, ficante, pai, irmão ou primo, vá ao cinema!

Não se trata de um filme sentimentalista ou um dramalhão histórico. Ele é a realidade, pura e super atual.

Os machões hostis e grosseiros que andam por nossas cidades, em ruas, escolas, praias, prisões, lojas e até no Congresso Nacional devem temer um filme como esse. E sabe porquê?

Porque ele inspira mulheres a serem guerreiras ainda mais fortes e persistentes.

Sabemos que os homens ainda são uma maioria no Planeta. São 3,65 bilhões do sexo masculino e 3,60 bilhões do feminino. Isto é, eles são 50 milhões de homens a mais, o que daria 632 Maracanãs lotados.

Mas e desde quando, nós tememos estádios, torcidas ou qualquer maioria?

Eu reafirmo o que disse a sufragista do filme:"Nós, as mulheres, somos a metade da raça humana", e viemos sim, para ficar e lutar!

Avante, gurias!

05 janeiro 2016

Editorial do mês: ceia de Ano Novo

Eu não podia deixar de dividir com vocês os detalhes da minha "mesa posta" para a ceia de Réveillon.


Aliás, vocês sabem o que significa essa palavra francesa?!

Quanto à etimologia, Réveillon tem origem no verbo em francês réveiller, que significa "acordar" ou "reanimar" (em sentido figurado). Assim, o Réveillon é o despertar do novo ano.


Inicialmente, a palavra era usada para descrever uma refeição leve que era feita à noite, que impedia que as pessoas dormissem. Um pouco mais tarde, foi usado para qualificar a ceia de véspera de Natal. Apenas por volta do século XX o termo Réveillon passou a designar as celebrações do Ano Novo.



Nesse ano, decidi fazer uma mesa bem clean, usando as cores branco, prata e amarelo. As velas deram um charme especial, ainda mais com dois castiçais que são obras de uma artista plástica gaúcha. Ah, os marcadores de lugar não podiam faltar! E os copos de Martini, foram usados para servir a entrada: Guacamole com camarões. 


Os convidados ganharam incensos Nag Champa, que eu adoro e deixam a casa super perfumada e também pedras de hematita, que segundo dizem os especialistas, servem para proteger e ajudar na prosperidade financeira.

Um mimo cheio de boas vibrações e que os convidados adoraram!



Ah, um vaso de orquídeas trouxe charme para a mesa que recebeu 6 pessoas para um jantar digno de Reis e Rainhas. Aliás, depois dessa celebração junto aos deuses da gastronomia, passamos a virada na beira da praia de Copacabana, tão inebriados de alegria e prazer, que acabamos todos celebrando a vida dentro de um mar calmo e maravilhoso!

Beijos!

01 janeiro 2016

Feliz Ano Novo

Eu fiquei esperando o sol nascer na praia de Copacabana nas primeiras horas de 2016. 

Celebrar mais uma volta do planeta Terra ao redor do Sol deve ser motivo de euforia, sim.

Afinal de contas, somos poeira de estrelas, estamos aqui de passagem. E tanto o Sol, quanto a Terra já tem bilhões de anos, são eles que garantem a nossa pequena travessia em décadas de vida. 

Por isso, eu acho lindo e emblemático celebrar o tempo, a rotação quase que imperceptível e diária da nossa esfera celeste. 

No vasto Sistema Solar, somos nós - no planeta azul - que celebramos o tempo partido e lamentamos o tempo perdido.

Vai ver, quem partiu os dias em horas e minutos, sabia que "calendarizar" as coisas, simplificaria a vida e tornaria a esperança algo mais fácil de ser alcançado. 

Eu festejo o recomeço dessa volta em nossa estrela-mãe, em nosso astro-rei e torço que estejamos aqui, firmes e fortes para ver o Sol nascer mais e mais vezes!

Um 2016 cheio de beleza, alegria e prendices!

Aliás, ele vai ser ano bissexto e vamos ganhar um dia a mais para encher o planeta de amor! 

Beijos!