24 agosto 2016

Número 21: tornando a beleza acessível


Como milhares de mulheres, eu amo uma maquiagem! Trabalhei 8 anos sendo maquiada por profissionais incríveis da TV brasileira, e sabe, foram elas, as minhas maquiadoras, que me ensinaram os truques de beleza para ficar mais bonita!

Eu não sou lá muito eficiente na auto maquiagem, mas quando o produto é bom, sempre ajuda e cai bem!

Foi o caso da Número 21! Com uma linha novíssima chamada Lúmina é possível ficar linda gastando pouco.

Eu experimentei todos os itens dessa foto aqui de cima e garanto: estão aprovadíssimos! Tudo de extrema qualidade sem agredir a pele e nem o bolso. 


Para se ter ideia do que eu tô falando, é o seguinte: a marca carioca tem uma proposta super legal e descolada! Os preços entre os produtos variam dos 17 até 30 reais. Vocês têm noção??? É muito em conta se comparado com marcas famosas e de qualidade similar!

O que mais chamou a minha atenção foram os lápis batom. Eles são MARAVILHOSOS: em 5 cores diferentes, eles simplesmente tem uma pigmentação duradoura e super bonita. Vale o investimento!


Mas peraí, onde a gente encontra esses produtos?! Bom, por enquanto eles são vendidos nas redes de farmácias Drogasmil e Farmalife, aqui na cidade do Rio de Janeiro.

A linha tem outros produtos além da maquiagem, passando por cremes, sabonetes e esmaltes. Um luxo só!

Quem já conhece, usou e gostou comenta aí que eu vou adorar! :)

Beijos, 

12 agosto 2016

Dica cultural Rio: O triunfo da cor

Estamos num clima Olímpico, certo?! Certíssimo! E o Rio de Janeiro, sendo palco do maior evento esportivo do mundo, se preparou em vários quesitos. Um desses quesitos, e dos mais importantes para mim, é a arte!


Isso mesmo, a cidade está cheia de exposições incríveis, e a primeira que eu visitei foi no Centro Cultural Banco do Brasil - que sempre arrasa nas escolhas e na curadoria.

A "Ruiva" de Toulouse-Lautrec
 A exposição, chamada "O triunfo da cor - o pós impressionismo: obras primas do Musée d'Orsay e do Musée de l'Orangerie", fica até dia 17 de outubro, no Centro da cidade, e traz quadros de artistas renomados como Vincent Van Gogh, Paul Gauguin, Paul Sérusier, Émile Bernard, Toulouse-Lautrec, Claude Monet, Henri Matisse, entre tantos outros.

As mulheres tahitianas na praia, de Paul Gauguin
A intenção é apontar a questão da cor na pintura ocidental. A geração de artistas que sucede os impressionistas entre 1885 e 1905 pregava uma abordagem multifacetada das cores: ora subjetiva, ora científica. As obras apresentadas se dividem em quatro momentos: no núcleo misterioso do pensamento,  a cor científica, os nabis e a cor em liberdade.

Praia em Heist, de Georges Lemmen
Se me perguntarem o que eu mais gostei em toda a exposição, certamente vou responder que foram os quadros feitos a partir da técnica do pontilhismo. São extraordinários, tridimensionais e impressionantes. Mas daí vai de gosto, né?! Tem beleza em todos os cantos e cada obra pede um olhar minucioso e atento para detalhes que encantam.

As musas, de Maurice Denis
Tá no Rio? Vai lá no CCBB e não perde essa exposição que é gratuita e tem obras que vieram diretamente de Paris para os nossos olhos!

CCBB - Centro Cultural Banco do Brasil
Até 17 de OUTUBRO
De quarta a segunda, 9h às 21h.

02 agosto 2016

O nosso futuro depende da economia circular



A discussão sobre sustentabilidade não é mais algo teórico ou papo de bicho grilo. Negativo! As consequências das alterações climáticas e dos problemas ligados ao lixo e ao descarte tóxico são bastante palpáveis e muita gente tá sentindo na pele essas mudanças. 

Algumas empresas já perceberam isso: quanto mais a gente consome, mais lixo a gente produz. O volume de descarte é tão gigantesco que a única solução é a economia circular. Mas o que é isso?

O objetivo é o aproveitamento máximo das matérias primas. É um upgrade na ideia de reciclagem. A empresa faz produtos e todos os seus resíduos e componentes são usados e reutilizados, evitando a geração de lixo industrial.

Esse é o intuito da economia circular: que a cadeia de fornecimento seja um circulo fechado e, em um cenário ideal, todos os resíduos produzidos desapareçam por completo.

Mas aí você me pergunta: "Tá, as empresas fazem isso e a gente, faz o quê"?

Ué, a gente passa a consumir menos!  Muitas pessoas estão apostando em um mix de produtos "vintages" e recicláveis. Um exemplo disso é reutilizar jeans antigos. Algumas marcas estão customizando ou dando outra finalidade para os produtos. E isso você pode fazer até em casa!

Quem sabe a gente a não tenta?! O planeta agradece! ;)