24 dezembro 2018

Feliz Natal, migles!


Eu poderia deixar um cartãozinho virtual animado ou um poema bem moderninho, mas a opção que realmente traz amor, alegria e paz no meu coração é a com esse bebezão furacão na foto! Eu & Ele desejamos que vocês tenham quem abraçar nessa data tão "religiosa capitalista", mas que lá no fundo renova alguma esperança e fé na humanidade.
FELIZ NATAL, AMORES!

06 dezembro 2018

Cruzeiro pelo Caribe: viajando com um bebê

Antes de começar esse texto eu preciso revelar: eu jamais faria um cruzeiro. Não foi ideia minha. Meu tipo de férias e viagens são outras: históricas, pequenos hotéis, pousadas de charme, menos gente e mais sossego, o oposto do que existe num navio, né?! Sou ré confessa: essa viagem foi um presente. Isso mesmo. Eu ganhei a viagem. Fui convidada! E apesar de todos os meus preconceitos sobre cruzeiros, embarquei nessa aventura de coração aberto. 


E adivinhem??? Que belo tapa na cara! Que soco no estômago! Fui, naveguei e amei. 
Calei a minha boca e aprendi: nunca diga que não gosta de algo até experimentá-lo. 
Eu simplesmente AMEI O CRUZEIRO. Assim mesmo, com letras garrafais. E olha que eu estava com um bebê de apenas 1 ano de idade a bordo, tinha tudo pra ser uma experiência cansativa e traumática. Mas não foi. O bebezão se saiu melhor que a encomenda, brincou, se divertiu, foi um parceirinho e tanto. Ficou encantando com o mar e as ondas. Olha aí o meu sereio na janela da nossa cabine admirando a imensidão azul...


Foram sete dias a bordo do navio Monarch, da Pullmantur. Ele até não é dos mais modernos, é meio antigo, mas super confortável e gigantesco. Tem teatro, cassino, piscina, academia, spa, diversos restaurantes, quadra da basquete, espaço kids, café, lojas, espetáculos e claro, paradas em lugares lindos. O nosso trajeto incluía Colon, no Panamá, Cartagena de Las Indias, na Colombia, Curação, Bonaire e Aruba, as famosas Antilhas Holandesas, no meio do Caribe. 


Eu nem preciso dizer como foram lindas e apaixonantes as visitas nas cidades, né?!  Tudo excelente. Desde os passeios (que compramos dentro do navio) até os restaurantes que escolhemos através do ranking do TripAdvisor. Mas isso é papo para outro post. Se não bastasse as paradas, o navio por si só já garantia diversão com shows, brincadeiras, bingos e muita bebida liberada! Eu me tornei uma apaixonada por piña colada desde então!


Fora isso, o atendimento dos garçons e camareiros foi primoroso, além do resto da equipe. O navio é um grandioso hotel dentro d'agua. E é óbvio que tem alguns momentos tediosos, como as brincadeiras na piscina (acho chatíssimo), ainda mais quando você quer uma espreguiçadeira para ficar lendo. Em alguns momentos eu ia para uma parte mais reservada do navio, onde o silêncio e as ondas do mar me fizeram companhia, o sossego foi tanto que consegui terminar dois livros que estavam na cabeceira há tempos. 


Minha dica sobre cruzeiros: procure o que mais se adapta as suas necessidades, seja temático para crianças, ou mais requintado para casais maduros que prezam por luxo e conforto. Aliás, esse é o ponto principal: escolha cabines mais caras ou com vista para o mar. O espaço e o conforto são necessários em dias que você passa em alto mar navegando. Com certeza a experiência vai ser ótima. Afinal, apesar de tudo que o navio oferece; luxo mesmo é ver o pôr do sol em alto mar. Assim como a beleza prateada da lua refletida nas ondas negras da madrugada! Ah, meus amigos NAVEGAR É PRECISO! E COMO!
Tem uma música que eu adoro, da minha conterrânea Adriana Calcanhoto, que diz um pouco desse sentimento:

"Ah, se eu fosse marinheiro...
Seria doce meu lar 
Não só o Rio de Janeiro
A imensidão e o mar

Leste, oeste, norte, sul 
Onde um homem se situa
Quando o sol sobre o azul 
Ou quando no mar a lua

Não buscaria conforto,
Nem juntaria dinheiro,
Um amor em cada Porto
Ah, se eu fosse marinheiro..."