30 abril 2019

Dica: Favo, a super bioembalagem

Diferentes alimentos podem ser protegidos com as bioembalagens da Favo.
Preciso falar de uma pequena mudança, mas que é a mais nova evolução na minha vida: os favinhos (eu chamo as minhas maravilhosas embalagens de tecido com cera de abelha assim, e já já vou explicar porquê tanto carinho)! 


Era início de fevereiro, as demandas da vida de mãe exigem muito mais do que a gente acha que vai ser, e cuidar da casa inteira e do bebê não tem sido fácil. Foi aí que eu descobri a FAVO. E fiquei tremendamente surpresa com esse produto que é uma alternativa sustentável aos plásticos de cozinha. Lá se vão três meses utilizando as bioembalagens: eu coloco pra proteger as frutas, verduras, queijos, bolos, uma infinidade de alimentos que antes precisavam de saquinhos plásticos ou plástico filme para terem uma sobrevida dentro ou fora da geladeira. Agora, ráááá, os alimentos duram mais tempo e sem o uso descabido de plástico! Além de toda a praticidade de usar as bioembalagens: não precisa de tesoura, nem de pregadores, nada, a cera da abelha adere perfeitamente aos alimentos e potes. 

Os morangos passaram a durar muito mais tempo na geladeira 
Mas aí vocês me perguntam: tecido com cera de abelha?! É isso mesmo! Um produto totalmente natural, feito com algodão orgânico, sem agredir o meio ambiente, reutilizável, lavável, lixo zero e detalhe: é tudo feito com matéria prima nacional e natural! 

Primeiro, a gente tem é que agradecer as abelhas, afinal sem elas, não haveria cera e muito menos todos esses alimentos nas nossas mesas... Afinal, são as abelhas, as maiores polinizadoras de culturas alimentares do planeta terra! Sem elas não haveria frutos silvestres, tomates, abacates, couves, maçãs, amêndoas, laranjas entre muitos outros alimentos. E, em segundo lugar, um salve a turma da Favo, que acreditou numa ideia linda, sustentável, que protege o planeta e de quebra, muda as nossas vidas para melhor! Definitivamente, a (r)evolução começa na cozinha! :) 


31 março 2019

Decor: granilite, o retrô nas nossas casas


O revestimento que fez sucesso nas décadas de 40 e 50 está de volta na decoração das casas. Se você tem mais de 30 anos deve se lembrar da casa de avós ou prédios antigos com essa textura.
O granilite é feito de água e areia (cimento branco) onde são adicionados grânulos de minerais (ex: mármore, granito, quartzo, vidro, etc).




 Antigamente ele era só usado nos pisos e escadas, mas hoje ganhou status de revestimento de parede, pias e bancadas e até objetos de decoração. Aliás, marcas como a GYPSO criaram produtos lindinhos com a técnica do granilite.

Porta copos, descanso de panelas, pratinhos, tudo da GYPSO

Mas quem quer experimentar o granilite sem fazer quebra quebra, a DESIGN UP living criou lindos revestimentos vinilicos autocolantes com a estampa de granilite, e em 3 cores diferentes. Lá no site deles tem outras belezuras como porta copos, almofadas e pratos.

Estou querendo muito essa estampa da Design Up. 
E aí, curtiram essa tendência linda?! Eu estou apaixonada! :) 

13 março 2019

Mesversários do bebê: as minhas ideias

Mesmo antes de completar o seu primeiro ano de vida, Vicente já estava acostumado com festas, bolos e parabéns. Ele já havia passado pelos rituais dos "mesversários", ou seja, a comemoração que se faz, mês a mês, do nascimento do bebê até ele completar um ano de vida. Hoje eu vou compartilhar com vocês algumas ideias que tive (e que eu mesma fiz) para comemorar os "mesversários" do baby.

Aliás, vocês sabem de onde veio esse termo e quem teve a ideia?! Eu li em algum site de maternidade que um casal gringo, depois de ter uma gestação difícil, seguida de um parto complicado, decidiu todo mês celebrar a vida tão esperada do filho. Ainda não sei se a história é fake news ou não, mas acho que a gente não precisa julgar o que os outros fazem e nem nos justificarmos pelo que fazemos. O importante é celebrar a vida!

Quem me conhece sabe que eu comemoro desde Festa Junina até Dia das Bruxas. Então, vocês acham que com o meu baby seria diferente?! Claro que não! Todo dia 26 é dia de festa pra mim! E os primeiros 365 dias do Vico foram assim...

O primeiro mês foi marcado com docinhos e pavlova de merengue, simples só com a mamãe e o papai mesmo.
A chegada do segundo mês foi marcada com a presença do nosso primo mais próximo: o macaco



O terceiro mês foi marcado com uma viagem para o sul do país onde a comemoração aconteceu na casa dos avós
Aqui, com 4 meses começamos a receber os amigos e padrinhos para celebrar os mesversários   
O tema em pleno verão só poderia ser a praia! E sim, foi eu quem fiz esse bolo. Nem eu acredito!
Os brigadeiros brancos viraram mini águas de coco
No quinto mês o nosso marujo pegou ser navio e desbravou mares pelo mundo afora


Com a chegada do sexto mês vimos a chance de brincar com a introdução alimentar mas não deu certo...
Foi aí que aproveitamos a Páscoa como tema para o sexto mês
Pintando o sete foi uma festinha deliciosa de produzir
Tintas, pincéis e muitas cores
Dinossauros apareceram no oito mês 
Eles ficaram no topo do bolo e fizeram muito sucesso
Em junho nada mas esperado do que uma festa junina para comemorar o nono mês 
Já na reta final, o décimo mês foi minimalista em preto, branco e vermelho e um urso panda preguiçoso para acompanhar
Eu que fiz esse urso pessoal
E o último mesversário foi angelical
11 meses com nosso anjinho 
E aí, gostaram?! Espero que as inspirações possam ajudar mamães e papais que querem celebrar a vida dos seus pequenos. E em breve, trarei todos os detalhes da festa de 1 ANO DO VICENTE! 

23 fevereiro 2019

DIY: tiara de Carmen Miranda

Em 2015 eu já mostrava que é fácil, fácil fazer um adereço para o carnaval
Lá em 2015 eu usei essa fantasia no carnaval do Rio, e desde então, representar Carmen Miranda tem tudo a ver com as cores e o brilho do carnaval. Quer saber como fazer essa tiara linda e super econômica, olha aí o passo a passo ou dá uma clicada aqui no post original de 4 anos atrás.


15 fevereiro 2019

Hotéis do Mundo: Radisson Montevidéu

Eu definitivamente não gosto de repetir países dos quais já visitei. Mas ir pela segunda vez  à Montevidéu, no Uruguai, foi uma das melhores decisões que tive. É impossível não se apaixonar pelo lifestyle uruguaio: aquele povo tranquilo, caminhando com seu mates a tira colo, o perfume de lenha que se espalha pela cidade por conta das parrillas, as ruas limpas, o idioma lindo de se ouvir e se falar. Ahhh, yo tengo un corazon enamorado por el pampa... <3

Acreditem: esse céu não tem filtro! 
A minha história com o Uruguai começou lá em 2006, quando fui pela primeira vez, passar 3 dias na terra de alfajores e dulces de leche. Mas confesso que aquela passagem deixou muito a desejar, pois não consegui percorrer as ruas, sentar nos bares, entrar nos prédios históricos. Foi tudo tão rápido que deixou um gostinho de quero mais, e aí no finalzinho do ano passado, decidimos ir em família: mamãe, papai e bebê. Nossa, que viagem deliciosa. E que vontade de ficar por lá, de vez.

Mas o post de hoje não vai ser sobre os passeios, e sim, sobre a estadia. Confesso que ela ajudou e muito nessa experiência tão deliciosa. Escolhi o Radisson Victoria Plaza Montevideo por ficar na melhor localização da cidade, ou seja, no coração da capital. De frente para a Praça Independência, ao lado do centro histórico e cinco minutos a pé das ramblas. Fizemos quase todos os passeios caminhando com o bebê no carrinho e com os olhos cheios de encantamento e beleza.

Fiquei apaixonada com a vista do nosso quarto.
O hotel pertence a uma rede internacional e é considerado 5 estrelas. Situado num arranha céu, tem uma vista lindíssima no andar do café da manhã e os quartos também garantem uma experiência visual da cidade desde o amanhecer até a noite.

Padrão 5 estrelas de hospedagem principalmente para quem tem um bebê pequeno.
A hospedagem é completa: quarto enorme, cama idem, todos os aparatos para ter tranquilidade: frigobar, cafeteira, tv, wi-fi, ar condicionado, cadeira de leitura, ferro de passar, tábua, secador de cabelo e tudo que pedíamos, éramos prontamente atendidos: toda noite precisávamos de taças de vinho e abridor ou de toalhas extras por conta da piscina e do bebê.

Essa é vista do café da manhã: a cidade e o Rio da Prata
A área da piscina também é ótima para os dias quentes ou para um relaxante banho noturno antes de dormir. A hidromassagem também funciona com aquecimento e além disso o hotel possui cassino, academia e salão.


Outra característica deliciosa foi o drink de boas vindas: uma clássica bebida uruguaia, o medio y medio (mistura de espumante com vinho), o lounge bar atendia todos os nossos pedidos  (principalmente ao pedir água quente para o nosso mate) e assistir a final da Copa Libertadores ali foi ótimo. O hotel já estava todo preparado para o Natal e adivinhem quem é que adorou todos os enfeites?! O bebê!




Por falar nele, passamos uma única dificuldade: a entrada principal do Radisson não tinha acessibilidade, o elevador estava quebrado e dificilmente os funcionários nos ajudavam a descer ou subir com o carrinho. Esse foi único ponto contra. Os prós são muitos e tornaram a nossa viagem uma celebração de sentidos e prazeres!




25 janeiro 2019

Ritual dos desapegos

Quer comprar roupa linda e com preço mais lindo ainda?! Passa lá em Botafogo no nosso "Ritual dos Desapegos" no próximo sábado, dia 26 de janeiro.


Reunimos um grupo de 20 mulheres que abriram o guarda-roupa e selecionaram peças especiais para vender. Nossa ideia é renovar as energias, eliminar o excessos, estimular o desapego e gerar o consumo consciente! Vem que vai ser lindo! :)

23 janeiro 2019

As árvores de Clarice

"Quando olho para uma árvore e percebo sua calma, também me acalmo. As árvores estão sempre profundamente enraizadas no Ser", a frase da artista Clarice Borian resume sua obra mas expande nosso espírito. Basta olhar o precioso trabalho que ela faz em folhas secas, ela descobriu um jeito inusitado de bordar: nas próprias folhas das árvores. Saiba mais em https://www.clariceborian.com



15 janeiro 2019

Panelas & Peitos

Começa a semana e eu tô aqui sentada no sofá da sala pensando "qual o menu gastronômico que agradaria um ser humano de apenas 1 ano e 3 meses"? Enquanto passo a mão no livro de receitas para bebês, me lembro das batalhas diárias que a minha mãe enfrentava para que eu quisesse comer. Apesar de ser uma criança tranquila e tímida eu era terrível para almoçar e jantar. Fazia cara de nojo, cuspia a comida escondida, dava para as amigas comerem (Karol ganhava minhas panquecas com prazer), enquanto minha mãe não via. Enfim, fazer uma refeição era uma jornada longa, letárgica e quase letal. Eu não gostava de nada. E ponto. E olha que a minha mãe era uma cozinheira de mão cheia, daquelas que sabiam fazer tudo! Ela tinha um cuidado precioso com suas panelas, e nunca, em hipótese alguma cozinhava em panela queimada, velha ou estragada, dizia que a comia sentia.

E o dom para cozinhar bem vinha de família, assim como ela, minha avó também mandava muito no reino dos sabores. Com aquela doçura peculiar das avós, sempre dava um jeito de fazer a neta experimentar suas delícias. Uma das táticas da minha avó era separar o caldo do feijão, e só assim eu colocava uma colherada de "caldinho de feijão com arroz na boca". Como boa descendente de portugueses, vovó fazia aqueles doces maravilhosos a base de ovos. Ah, como eu lembro do perfume que saía da cozinha e se espalhava pela casa, fosse o aroma do pudim de laranja ou da famosa ambrosia. E mesmo assim, eu não comia. Comigo tudo era negociado, nem batata frita me apetecia. Hoje eu assumo: "nossa, como eu era chata pra comer", e daí penso: Será que o meu filho vai ser assim?!

Meu bebê definitivamente não é bom de garfo, mas é bom de peito. Ele não almoça, mama. Ele não janta, mama. E diferente da mamain, quando come feijão, vai com grão e tudo. 
É dificil dizer como vai ser o apetite da criança ao longo dos anos, mas estou aqui, na minha pequena batalha individual de ir para a cozinha, preparar a refeição, colocá-lo na cadeirinha, servir o prato, sentar em frente ao baby e ficar numa operação de guerrilha, tentando acertar um grão de lentilha ou um pedacinho de tomate na boca do bebê. Ele vira o rosto, esperneia, chora, bate com as mãos na mesinha, joga a colher no chão, grita, põe a língua pra fora, eis que finalmente sente o gosto de alguma coisa e pára. Tem vezes que gosta, noutras parece que comeu veneno. E nessa luta da colher com a boca, ele quase sempre sai vencedor: comendo pouco ou nada e vindo parar no peito. 

Já tentamos todas as técnicas: desde o BLW (onde o bebê come com as próprias mãos), e no nosso caso só serviu para a comida parar toda no chão, até papinhas e comidas nas mais variadas texturas. Nada adiantou. Ele não quer. Ele não come. Se me perguntarem qual a parte mais frustrante da maternidade, pra mim, por enquanto é essa: a minha incompetência em fazer o bebê comer! Tem gente que põe a culpa dessa falta de apetite no leite materno, na livre demanda, nos peitos fartos, mas ah, sei não, vai ver que o problema - como diria minha mãe  - tá lá nas panelas...vá saber!



08 janeiro 2019

Pantone e a cor de 2019

Foi ainda no final do ano passado que o catálogo de cores mais famoso do mundo divulgou qual seria a cor de 2019. Eu até coloquei lá no Instagram, mas com as viagens de férias + festas de fim de ano, eu acabei deixando o blog a ver navios... Sorry, people!

E apesar de eu começar o novo ano me desculpando com os leitores, prometo várias novidades pra esse primeiro semestre (entre elas a retomada do canal no Youtube e uma nova frente do Prendada). Mas, bora deixar de mimimi e vamos falar do que interessa: a linda LIVING CORAL, a cor eleita para 2019.

Vibrante e suave, alegre e elegante, essa é a cor escolhida pela Pantone. Ela já é bem familiar, pelo menos aqui no blog (o letreiro e alguns detalhes contam com variações da cor coral) e em cores de esmaltes e roupas que vemos há alguns anos no comércio. Aliás, por 20 anos a cor do ano Pantone influenciou a criação de produtos e decisões para compras de vários setores como moda, industria moveleira, beleza, design, embalagens e até nas mídias digitais.


Pensando nisso, eu já busquei algumas inspirações para vocês sentirem a vivacidade, o calor e a beleza dessa cor, seja na moda, na decoração, na beleza ou no lifestyle.


E aí, hot or not?! Vale dar uma relembrada nas edições passadas da Pantone. Que tal? Entre todas, a de 2019 conquistou - definitivamente - o meu coração.